Logo

História da Sociedade

Home » Sobre a SBDCV » História da Sociedade

Por Rubens José Gagliardi

** Professor titular de Neurologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e chefe do serviço de Neurologia da Santa Casa de São Paulo. Membro fundador da SBDCV e Ex-presidente da ABN.



A Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares (SBDCV)1 foi oficialmente fundada em 16.09.1996 e abrange o Departamento de Doenças Cerebrovasculares da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), que agrega os interessados nestas doenças, no Brasil.  Deriva do “Grupo de Trabalho em Patologia Vascular Cerebral” da ABN, entidade que agrupava os especialistas e estudiosos destas enfermidades, e que posteriormente passou a ser denominado “Departamento Científico”.


Precursores da SBDCV

O Grupo de Trabalho (GT) em Patologia Vascular Cerebral foi fundado em 1982 pela liderança do Prof. Dr. Roberto Melaragno Filho, um eminente neurologista profundamente envolvido com as doenças cerebrovasculares (DCV). O Professor Melaragno estruturou o grupo recém formado e agregou os envolvidos com este ramo da Neurologia. Este Grupo de Trabalho teve os seguintes coordenadores, com mandatos de 2 anos, de acordo com os estatutos da ABN:

1982-1984 Roberto Melaragno Filho

1984-1986 Silvio Saraiva

1986-1988 Silvio Saraiva

1988-1990 Roberto Melaragno Filho

1990-1992 José Ivan Cipoli Ribeiro

1992-1994 Rubens José Gagliardi

Este GT era ativo, mas se mostrava um pouco disperso. Era necessário um maior envolvimento, participação e atividade dos especialistas. Nesta época havia poucos neurologistas voltados para esta subespecialidade e o nível de comunicação, intercâmbio e atividades científicas estavam abaixo do desejado. Era igualmente necessário um maior e melhor conhecimento dos colegas e dos centros que trabalhavam e se dedicavam as DCV. Era claro a necessidade de maior relacionamento entre os amantes das DCV no Brasil, com a finalidade de aprimorar-se os conhecimentos, estudos, pesquisas e estimular os colegas a se dedicarem a esta importante especialidade neurológica.



Fundação de SBDCV

No início de 1994, a diretoria do GT, verificando as necessidades do momento e as perspectivas futuras, estabeleceu novas diretrizes para que este grupo ocupasse e desempenhasse adequadamente o seu papel dentro da neurologia brasileira. Propôs então constituir uma sociedade nacional específica, a SBDCV, que abrangeria o GT com a finalidade agregar os interessados e desenvolver os trabalhos nesta área. Esta sociedade teria funções mais amplas do que o GT, agregaria não apenas os neurologistas, mas também médicos de outras especialidades envolvidos com estas doenças e outros profissionais com importante participação no tratamento, prevenção e reabilitação, como fisioterapeutas, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, enfermeiros, nutricionistas, etc. Teria uma atividade muito mais abrangente do que o GT e procuraria maior intercâmbio e projeção com as congêneres internacionais. Com a finalidade de esclarecer esta iniciativa e colher a opinião dos colegas, foi encaminhada uma carta a todos os membros da ABN, informando a intenção da fundação da Sociedade e solicitando sugestões e apoio. Esta carta (abaixo) deixava claro que esta sociedade abrangeria o GT, teria a mesma diretoria deste GT e seguiria todas as normas estatutárias dos GT da ABN.

O início de 1994 pode ser colocado como a época da fundação de fato de SBDCV, sendo que a sociedade foi formal e oficialmente constituída em 16.09.1996, quando foi registrada em cartório público, e teve esta decisão aprovada na Assembleia Geral Ordinária do GT, ocorrida em Curitiba (PR) durante o XVIII Congresso Brasileiro de Neurologia. Esta assembleia era uma atividade estatutária dos GT da ABN, e na pauta da sua convocação o item “SBDCV” estava citado. Nesta assembleia, foram também aprovados estatutos iniciais da sociedade.

Outra importante decisão nesta assembléia foi a discussão para se definir a melhor denominação para a doença em causa, uma vez que alguns colegas, na época, defendiam o termo de “Acidente Vascular Encefálico”, ao invés de “Acidente Vascular Cerebral “(como era muito mais conhecido e empregado), e por votação optou-se em manter a denominação de Acidente Vascular Cerebral (AVC) 2.



Desafios e Apoios

Apesar de constar nos estatutos da SBDCV que esta sociedade abrangeria o GT da ABN, acompanharia todas as normas estatutárias dos GT da ABN e seria parte da ABN, houve, no início, algum desconforto por parte de alguns membros da ABN, que temiam que este grupo poderia ou intencionava provocar uma divisão e distanciamento da ABN, não entendendo que este grupo somente traria vantagens científicas, médico-assistenciais e faria engrandecer toda a Neurologia brasileira. Houve, nesta ocasião, alguma dificuldade em mostrar as verdadeiras intenções, o que se tornou claro com o tempo. Nesta oportunidade, foi recebido o apoio fundamental do Professor Antonio Spina-França Neto, ex-presidente da ABN e um dos maiores nomes da Neurologia brasileira, que apoiou a iniciativa. O Professor Sérgio Novis, também ex-presidente da ABN e eminente neurologista, igualmente manifestou o seu apoio, e então a SBDCV foi tomando forma e crescendo. 



Diretores da SBDCV

Desde a sua fundação até a presente data, a SBDCV contou com os seguintes presidentes:

1996-2000 Rubens José Gagliardi

2000-2004 Cesar Noronha Raffin

2004-2006 Jorge El Kadum Noujaim

2006-2008 Aroldo Luiz S Bacellar

2008-2010 Gabriel Rodriguez de Freitas

2010-2012 Jamary Oliveira-Filho

2012-2104 Sheila Cristina O. Martins

2014-2016 Gisele Sampaio Silva

2016-2018 Octávio Marques Pontes-Neto

2018-2020 João José Freitas de Carvalho

2020-2022 Marco C. Lange



Principais ações da SBDCV

A SBDCV, desde a sua fundação, tem criado, incentivado e propiciado uma séria de atividades em prol do conhecimento, desenvolvimento e tratamento das DCV. As principais ações podem ser descriminadas como: publicações, consensos nacionais, congressos, cursos, edição de livros, colaboração em estudos nacionais e internacionais, campanhas de esclarecimento e prevenção do AVC (“Dia do AVC”) e atuação junto aos órgãos públicos.



Publicações

A primeira publicação da SBDCV foi um jornal chamado de “Newslleter”, iniciado em janeiro de 2004, com edição a cada quatro meses, trazendo revisões, resumos nacionais e internacionais, notas de pesquisa, notícias da sociedade e das congêneres internacionais, congressos, projetos, etc.

Com o intuito de estreitar o relacionamento com os colegas da América do Sul, foi criada uma página (como parte da Newsletter) chamada de “Página do Merco Sul”, com a colaboração dos Drs. Mathias Pebet (Uruguai) e Osvaldo Fustinoni Filho (Argentina), editada em português e em espanhol; trazia notícias científicas e eventos do Brasil, Argentina e Uruguai.

Este Newsletter teve um importante papel inicial de unir os colegas da área e divulgar o que se estava fazendo de produção científica, além de estimular novos membros a se voltarem para este fascinante campo da Neurologia.

Alguns livros foram editados, como: Doenças Cerebrovasculares: condutas, Condutas na Fase Aguda do AVC e AVC Brasil, igualmente contribuindo para divulgar conhecimentos.



Congressos Nacionais da SBDCV

A Assembleia Geral Ordinária do GT, ocorrida em Curitiba em 1996, aprovou a realização bianual de um congresso brasileiro, que passou a ser chamado de Congresso Brasileiro de Doenças Cerebrovasculares. Foi decidido nesta assembleia que o primeiro congresso seria realizado em São Paulo, de 13 a 15 de novembro de 1997, e desde então, a cada dois anos ininterruptamente, tem ocorrido este evento nacional em diferentes cidades, organizados pelos colegas que se candidatam a sediar o evento. O primeiro congresso contou com a significativa presença de 426 participantes de diferentes estados do Brasil, além de seis palestrantes estrangeiros. Este encontro fortaleceu sobremaneira a sociedade e encorajou futuras ações.

Os congressos, até o momento, tiveram as seguintes cidades sedes e presidentes:

1° Congresso, 1997: São Paulo, SP

              Presidente: Rubens José Gagliardi

2° Congresso, 1999: Caldas Novas, GO

              Presidente: Sebastião Eurico Melo-Souza

3° Congresso, 2001: Rio de Janeiro, RJ

              Presidente: Jorge El-Kadum Noujaim

4° Congresso, 2003: Porto Alegre, RS

              Presidente: Sérgio Roberto Haussen

5° Congresso, 2005: Salvador, BA

              Presidente: Aroldo Luiz S. Bacellar

6° Congresso: 2007: Joinville, SC

              Presidente: Alexandre Luiz Longo

7° Congresso, 2009: Vitoria, ES

              Presidente: Cesar Noronha Raffin

8° Congresso, 2011: Gramado, RS

            Presidente: Maurício Friedrich

9° Congresso, 2013: Fortaleza, CE

              Presidente: João José Freitas de Carvalho

10° Congresso, 2015: Belo Horizonte, MG

              Presidente: Romeu Vale Sant’Anna.

11° Congresso, 2017: Salvador, BA

              presidente: Bruno Bacellar Pedreira

12° Congresso, 2019: Goiânia, GO

            Presidente: Marco Túlio Araújo Pedatella

Estes congressos têm contribuído grandemente para o fortalecimento da subespecialidade e da sociedade, promovendo educação e atualização em AVC, troca de informações, intercâmbios nacionais e internacionais, e unindo o grupo de estudiosos. O próximo congresso brasileiro de DCV está definido e ocorrerá em outubro de 2021, em Maceió, Alagoas, sob a presidência da Dra. Letícia Januzi.

Neste segmento de congressos, outra vitoriosa atuação da SBDCV foi ter trazido para o Brasil sediar o “8° Congresso Mundial de AVC”. Ocorreu em Brasília de 10 a 13 de outubro de 2012. Foi presidido pelos Drs. Ayrton Roberto Massaro (Brasil, ex-secretário da primeira gestão da SBDCV e do primeiro congresso brasileiro) e Bo Norving (Suécia), e teve como comitê local de organização os colegas: Elza Dias Tosta, Sheila Martins, Cesar Raffin, Linamara Rizzo Batistela e Rubens José Gagliardi. Este evento, além de trazer conhecimentos e tecnologia, foi muito importante para consolidar a nossa sociedade no campo internacional.



Consensos organizados pela SBDCV

Outra importante atividade desenvolvida pela SBDCV foi a organização de consensos nacionais sobre diferentes aspectos das DCV.  Estes consensos foram realizados com o trabalho conjunto de renomados especialistas de diferentes cidades e regiões do Brasil e trazem a opinião oficial brasileira, nos diferentes itens avaliados. Foram realizados oito consensos, todos publicados em “Arquivos de Neuropsiquiatria 3-10, periódico oficial da ABN:

 Treatment of the acute phase of ischemic stroke – 20013

 Thrombolysis in stroke – 20024

 Neuroprotection in stroke – 20055

 Treating carotid disease in the acute phase of stroke – 20056

 Management of the acute phase of hemorrhagic stroke – 20097

Treatment of the acute phase of ischemic stroke. Part I – 20128

Treatment of the acute phase of ischemic stroke. Part II – 20129

Endovascular treatment (mechanical thrombectomy) – 201710



Programas de prevenção de AVC

Um dos propósitos e missão da SBDCV é ensinar o público leigo sobre o AVC, difundindo conhecimentos sobre o que é esta doença, como caracterizar, como prevenir e como agir frente a sua ocorrência. Isto tem sido feito através de campanhas populares (conhecidas como o “Dia do AVC”), em conjunto com a World Stroke Organization (WSO), e a SBDCV a coordena em nível nacional. Estas campanhas ocorrem em diferentes cidades do Brasil, anualmente, ininterruptamente de 2005 (a primeira campanha nacional ocorreu em 24.06.2005 coordenada pelo Dr. Jorge El Kadum Noujaim) e tem sido um grande sucesso11.

Em 2011, a SBDCV-ABN receberam o prêmio de melhor campanha mundial e obtiveram o segundo lugar mundial nas campanhas de 2009, 2012 e 2015. A carta do Dr. Stephen Davis, presidente da World Stroke Organization para a Dr. Sheila Martins, que coordenou a campanha de 2011, foi recebida com muita alegria pelos membros neurovasculares brasileiros.



Contribuições para o Ministério da Saúde do Brasil e para o Conselho Federal de Medicina 

Dentro dos objetivos de prevenção e de oferecer o melhor tratamento ao paciente com AVC no Brasil, desde a sua fundação, a SBDCV tem trabalhado junto aos órgãos governamentais para colaborar na implantação e regulamentação de ações neste sentido. A SBDCV colaborou em importantes ações como o consenso de morte cerebral, linha de cuidados do AVC, leis para utilização de trombólise, para constituição da unidade de AVC, etc. 12,13,14. Outra importante conquista foi a inclusão dos neurologistas no grupo de neurointervensionistas.

Paralelamente, a SBDCV tem mantido esforços junto a setores governamentais para a melhoria das condições e atendimento aos doentes com DCV 15,16.



Conclusões

Este texto apresenta, de modo resumido, os principais relatos da SBDCV, desde a sua fundação até o momento. Mostra uma trajetória de sucesso, alcançada com muito trabalho, esforço, dedicação e companheirismo de inúmeros colegas que participaram e estão participando desta constante luta, contribuindo para o aprimoramento do estudo e melhoria no atendimento dos pacientes com DCV no Brasil. Tem também consolidado nosso posicionamento junto a organismos internacionais, e colaborado com as entidades governamentais para o melhor entendimento e ação frente a esta temível doença.

A SBDCV tem crescido muito desde a sua fundação, com a colaboração e integração de novos e brilhantes colegas; terá vida duradoura e em contínua ascensão, pois o potencial dos nossos membros é muito farto, sempre com a participação e cooperação de colegas renomados e os novos valores que eles trazem para a Sociedade. O SBDCV deve continuar se aperfeiçoando, mantendo seu importante papel na Neurologia nacional e mundial.



Referências

  1. Gagliardi RJ, Raffin CN, Noujaim, JEK, Bacellar ALS, Freitas GR, Oliveira-Filho J, Martins SCO, SILVA GS, Pontes-Neto OM. The Brazilian Society of Cerebrovascular Diseases – history. Arq Neuro-Psiquiatr. 2019;77:208-214.
  2. Gagliardi RJ. Acidente Vascular Cerebral ou Acidente Vascular Encefálico? Qual a melhor nomenclatura? Rev Neurocien (EPM. Impresso). 2010;18:131-132.
  3. Gagliardi RJ, Raffin CN, Fabio SRC. Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares – Brazilian guideline for the management of acute stroke. Arq Neuro-Psiquiatr. 2001;59(4):972-80.
  4. Raffin CN, Gagliardi RJ, Massaro AR, Fernandes JG, Bacellar AL, Fabio SRC. Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares. Primeiro consenso brasileiro para a trombólise no acidente vascular cerebral isquêmico agudo. Arq Neuro-Psiquiatr. 2002;60(3-A):675-80.
  5. Freitas GR, Noujaim JEK, Hausen SR, Yamamoto FJ, Novak EM, Gagliardi RJ. Neuroproteção no acidente vascular cerebral. opinião nacional. Arq Neuro-Psiquiatr. 2005;63(3-B):880-91.
  6. Gagliardi RJ, Andre C, Fukulima MM, Melo-Souza SE, Zetola VF. Abordagem da doença carotídea na fase aguda do acidente vascular cerebral: opinião nacional. Arq Neuro-Psiquiatr. 2005;63(3-A):709-12.
  7. Pontes-Neto OM, Oliveira-Filho J, Valiente R, Friedrich M, Pedreira B, Rodrigues BCM, Liberato B, Freitas GR, e comitê executivo da SBDCV. Diretrizes para o manejo de pacientes com hemorragia intraparenquimatosa cerebral espontânea. Arq Neuro-Psiquiatr. 2009;67(3-B):940-50.
  8. Oliveira-Filho J, Martins SCO, Pontes-Neto OM, Longo A; Evaristo EF, Carvalho JJF, Fernandes JG, Zétola VF, Gagliardi RJ, Vedolin L, Freitas GR. Guidelines for acute ischemic stroke treatment. part I. Arq Neuro-Psiquiatr. 2012;70(8);621-9.
  9. Martins SCO, Freitas GR, Pontes-Neto OM, Pieri A, Moro CEC, Jesus PAP, Longo A, Faria EE, Carvalho JJF, Fernandes JG, Gagliardi RJ, Oliveira-Filho J. Guidelines for acute ischemic stroke treatment: part II: stroke treatment. Arq Neuro-Psiquiatr. 2012;70(11):885-93.
  10. Pontes-Neto OM, Cougo P, Martins SCO, Abud G, Nogueira RG, Miranda M, Castro-Afonso LH, Rebello LC, Caldas JGMP, Bazen R, Bezerra DC, Rezende MT, Freitas GR, Longo A, MAgalhães P, Carvalho JJF, Montalverne FJ, Lima FO, Andrade GHV, MAssaroA, Oliveira-Filho J, Gagliardi RJ, Silva GS. Brazilian guidelines for endovascular treatment of patients with acute ischemic stroke. Arq Neuro-Psiquiatr. 2017;75(1):50-8.
  11. Gomes ABAGR, Henrique Jr H, Schoeps VA, Santos MMSA, Pellegrinelli A, Matos BP, Araújo HA, Silva LSAC, Battisti FP, Kubota BY, Ferreira AC, Pellegrini MP, Prado RA, Abrahm R, Gagliardi VDB, Simis M, Gagliardi RJ. Popular stroke knowledge in Brazil; a multicenter survey during “World Stroke Day”. eNeurological Sci. 2017;6:63-7.
  12. CFM-Conselho Federal de Medicina. Resolução nº 1.480/1997. Brasília DF. Publicada no D.O.U. de 21.08.97, p. 18.227.
  13. MS-Ministério da Saúde. A linha de cuidado em acidente vascular cerebral nas redes de atenção às urgências e emergência. 2012. [acess 2017 Sep 15]. Available from: http://conitec.gov.br/images/Protocolos/pcdt-cuidados-AVC.pdf
  14. MS-Ministério da Saúde. Portaria no.664, de 12 de abril de 2012. Aprova o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas – Trombólise no Acidente Vascular Cerebral Isquêmico Agudo Ministério da Saúde -Gabinete do Ministro. [acess 2017 Aug 9]. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/PRT0664_12_04_2012.html
  15. MS-Ministério da Saúde. A portaria 665, de 12 de abril de 2012. Dispõe sobre os critérios de habilitação dos estabelecimentos hospitalares como Centro de Atendimento de Urgência aos Pacientes com Acidente Vascular Cerebral (AVC), no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), institui o respectivo incentivo financeiro e aprova a Linha de Cuidados em AVC- Ministério da Saúde – Gabinete do Ministro da Saude. [acess 2017 Dec 02]. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/PRT0665_12_04_2012.html
  16. Martins SC, Pontes-Neto OM, Alves CV, de Freitas GR, Oiliveira Filho J, Tosta ED, Cabral NL. Past, presente and future of stroke in middle-income countries: the Brazilian experience. Int J Stroke. 2013;8(supply A100):106-11. DOI 10.1111/ijs.12062.)